06 abril 2016

#BEDA2016 | Caixa de Pássaros - Josh Malerman

Nota da Pri:
Oi gente linda! Primeiramente estou anunciando meu retorno após um ano de desaparecimento, por causa da faculdade acabei piorando o stress que já tenho, e sofri um pouco para conseguir um ritmo ano passado para equilibrar a faculdade e meus outros afazeres, me deixando uma bola de nervos. Mas! Vou voltar aos poucos, e talvez escreva algo sobre o que o stress e ansiedade podem fazer com alguém, mas ainda estou analisando minha própria situação, e para não passar informações erradas prefiro pesquisar melhor. Beijinhos gente linda! Minha resenha de retorno para vocês!  ;*


Skoob
Título Original: Bird Box
Título Brasileiro: Caixa de Pássaros
Autor (a): Josh Malerman
Ano: 2014
Editora: Intrínseca
Páginas: 272
Sinopse: Basta uma olhadela para desencadear um impulso violento e incontrolável que acabará em suicídio. Ninguém é imune e ninguém sabe o que provoca essa reação nas pessoas. Cinco anos depois do surto ter começado, restaram poucos sobreviventes, entre eles Malorie e dois filhos pequenos. Ela sonha em fugir para um local onde a família possa ficar em segurança, mas a viagem que tem pela frente é assustadora - uma decisão errada e eles morrerão.

Quando vi propagandas na internet sobre esse livro fiquei com vontade de lê-lo, mas ao mesmo tempo fiquei receosa, talvez por ver muitas críticas tanto positivas tanto negativas, acabei ficando preocupada em não gostar muito e me decepcionar, (momento jabá do dia) então quando minha mãe me deu um kindle de presente (acabou o jabá) e decidi ler Caixa de Pássaros por ele, pois não me “arrependeria” de ter gastado muito em sua compra.
Eis que a vida é engraçada, porque no final das contas acabei achando o livro bem pipoca*, não aquela coisa em que me apaixono totalmente por ele ou que o detestei por completo, apenas uma leitura muito boa para se passar o tempo, um thriller bem diferente para quem começou a se aventurar nesse estilo de leitura assim como eu.
“Enfim, depois de quatro anos de espera e treino, tentando encontrar coragem para ir embora, ela rema para longe do cais, da margem e da casa que protegeu a ela e aos filhos pelo que pareceu uma vida inteira. ”
Na capa do livro encontramos escrito “Não abra os olhos”, o que nos deixa perguntando, baseando-se na sinopse, “mas o que não podemos ver? ”, a resposta para essa pergunta encontramos logo no começo do livro, em que a personagem principal Malorie, que descobre estar grávida em mundo que parece estar acabando, e sua irmã Shannon assistem uma notícia na TV sobre estranhos surtos de psicose que se iniciaram na Rússia e estão se espalhando pelo mundo, e a única coisa que esses surtos possuem em comum, é que os “infectados” firam alguma coisa que os deixou assim.

Alerta de spoiler para esse parágrafo, caso queira pule para o próximo, após perder sua irmã, Malorie parte em busca de um abrigo onde estariam recebendo os sobreviventes da loucura que se espalhou pelo mundo, ao chegar lá encontra os moradores, Tom, Jules, Don e Cheryl, no começo eles ficam receosos em abriga-la, mas o altruísmo de Tom a ajuda, principalmente ao descobrir que ela está grávida.
“A porta da frente se fechou atrás dela. Jules espera do lado de dentro. Vendada, Cheryl anda devagar, equilibrando-se nas paredes da casa. Os tijolos parecem ásperos sob seus dedos. Logo eles darão lugar à madeira, de onde o gancho de metal se projeta. É lá que os pássaros estão. ”
Então parece que tudo está bem, mas nunca é assim, o desespero que os personagens possuem para sobreviver fica implícito, e a vontade de sair da cidade, da casa também, a única coisa que podemos perceber são seus desejos extremos de sobrevivência o que chega a causar conflitos entre membros do grupo, e para piorar, dois novos habitantes chegam à casa a procura de abrigo, a única coisa que não se sabe é se podem ser confiáveis.

Os personagens, além de Malorie, não são aprofundados, não vemos em qualquer momento um aprofundamento sobre suas personalidades, o que recebemos porém nos ajuda a formular como devem ser, algumas histórias são contadas outras não, eles vivem em uma casa com todas as janelas e portas lacradas, o medo de ver o que causa a loucura é muito grande, e em certas partes fiquei desesperadas por eles.
“Malorie quer perguntar: Tem alguém aqui ainda? Quer gritar a pergunta. Mas o telefone continua tocando e ela acha que não vai parar até alguém atender. ”.
O ritmo do livro é excelente, muito fluído, você embarca nas histórias que os personagens passaram, seus desejos de sobrevivência, principalmente quando Malorie decide sair da casa onde vive com seus filhos faz cinco anos, os treinando a ouvir bem, lendo certas cenas onde ela se lembra de como os criou me batia uma tristeza imensa, afinal, criar seus filhos vendados por um medo tão gigantesco não é fácil.

Quando iniciei minha leitura, não esperava ficar tão instável como quando estava ao decorrer do livro, tudo que eu conseguia era pensar em como eu já teria morrido em uma situação como essa ou como seria perder tudo o que conhece de um dia para o outro, sem contar o desespero de nunca saber o que pode estar atrás de sua janela, mas ao final da leitura uma pequena ponta de esperança surgiu ao meu ver, me passando a sensação de que mesmo em situações tão extremas, não podemos desistir, temos que sobreviver.

*Eu utilizo o termo pipoca para livros, filmes ou séries que vejo/leio para passar o tempo.
**Não coloquei as páginas onde os quotes se encontram, porque não havia o número delas no e-book.
***Lembrando que os direitos para filme já foram vendidos, mas não a nada confirmado ainda!

Avaliação:

Nenhum comentário:

Postar um comentário