29 dezembro 2015

Os Dois Mundos de Astrid Jones - A. S. King

Título Original: Ask The Passengers
Título Brasileiro: Os Dois Mundos de Astrid Jones
Autor(a): A. S. King
Editora: Gutenberg
Ano: 2015
Páginas: 288
Sinopse: “O movimento é impossível.” É o que Astrid Jones, 17 anos, aprendeu na sua aula de filosofia. E, vivendo na pequena cidade em que mora, ela começa a acreditar que isso é mesmo verdade. São sempre as mesmas pessoas, as mesmas fofocas, a mesma visão de mundo limitada, como se estivessem todos presos em uma caverna, nunca enxergando nada além. Em um retrato original de uma garota que luta para se libertar de definições ultrapassadas, este livro leva os leitores a questionarem tudo e oferece esperança para aqueles que nunca deixarão de buscar o significado do amor verdadeiro.

 “Mas é bom amar uma coisa e não esperar nada em troca. É bom não haver discussão nem pressão alguma, ou qualquer boato ou qualquer baboseira. É amor sem amarras. É o ideal.”
Astrid Jones está no último ano do Ensino Médio. E apesar de ter nascido na grande Nova Iorque e passar dez anos de sua vida em paz com seus pensamentos, fora forçada a se mudar para uma cidade do interior e a se preocupar com cada comentário maldoso feito por vizinhos.
Acostumada a não precisar de amor e a não ser responsável por sua vida -- sua mãe é maníaca por deter controle (em sua vida, em seu trabalho, na vida de suas filhas e seu marido...), seu pai abandonou a realidade e entregou-se para o exílio que a maconha oferece, sua irmã adaptou-se à vida de típica menina de interior, sua melhor amiga está dividida entre dois lados de si mesma: a popular versus a lésbica, e sua namorada não sabe amar --, ela tenta desesperadamente confiar em alguém o segredo que nem mesmo ela sabe. O que significa estar em um relacionamento secreto com uma garota? O que isso diz sobre ela? Como a rotula?

“E eu não me importo se essas pessoas não me amam de volta. Isso não é para ser recíproco.
É uma entrega.
Porque se eu entregar tudo, então ninguém vai poder me controlar.
Porque se eu entregar tudo, serei livre.”
Garota. Em feminino. Como A. S. King descreveu (com sensibilidade e suavidade, narrando em primeira pessoa), você não acorda um dia e descobre ser gay – há um longo caminho e muitos questionamentos a serem feitos antes de gritar em meio à escola sobre sua sexualidade. E, ao longo destas 288 páginas, este caminho é percorrido por Astrid. Ela namora uma menina e é realmente apaixonada por ela, mas também já foi realmente apaixonada por um menino e agora não sabe conciliar seus desejos, seus pensamentos, suas críticas a si mesma e ao lugar em que mora.

“Os dois mundos de Astrid Jones” não é mais um livro sobre homossexualidade e adolescentes que precisam admitir para si mesmo a verdade. O romance escrito pela irlandesa é um livro sobre ser você mesmo e enfrentar o que está na sua frente: as mentiras, as críticas, a falta de amor e tolerância... Astrid é apenas uma entre milhões de adolescentes que possuem uma mãe controladora, um pai ausente e dúvidas. Como A. S. King bem deixou implícito, você precisa erguer a sua voz e questioná-los; seja por meio de aulas de filosofia, de situações extremistas, ou de um livro. 

“Amor é algo que sempre estará disponível? Será sempre confinado e indigno de confiança como parece hoje? Tem o suficiente por aí? Estou desperdiçando o meu com estranhos?”
Astrid Jones, eu envio todo o meu amor a você, mesmo que agora tenha (finalmente) aprendido a amar-se plenamente.


Avaliação:

Nenhum comentário:

Postar um comentário