08 março 2015

8 de Março: Heroínas Literárias


Hoje é dia 8 de Março, dia da mulher, e não podia deixar de postar alguma coisa sobre isso. Eu poderia fazer um texto gigante, elogiando as mulheres, elencando nossas conquistas e dificuldades no decorrer da história, discorrer sobre como ainda estamos percorrendo um caminho em busca de respeito e igualdade. Mas não vou fazer isso. Não irei fazer um texto sério, o contrário: de uma forma mais descontraída, eu irei inspirar vocês, mulheres, com personagens literárias marcantes. Cada uma nessa lista - feita em ordem aleatória - não apenas são personagens de livros diferentes, mas cada uma é incrível a sua maneira (o fato de todas terem adaptações foi totalmente coincidência).

Molly Weasley (série Harry Potter)
Molly Weasley é mais que merecedora de entrar nessa lista: não apenas criou sete filhos com muito amor e carinho, como também acolheu Harry em sua casa e coração, fazendo dele seu oitavo. Ela é dura quando necessário, justa e sempre está cuidando dos que ama com muito zelo (às vezes até demais). Apesar das dificuldades financeiras, os Weasley nunca deixaram faltar nada para os filhos e agregados, sempre havendo espaço para risadas e momentos compartilhados. E não vamos nos esquecer de sua luta na guerra contra Voldemort!

Rose Hathaway (série Vampire Academy)
Minha querida Rose também estaria nessa lista. Ela é corajosa, determinada e luta pelo acredita. Uma personagem que evoluiu muito no decorrer da série, tornou-se mais sábia e menos impulsiva, embora sempre extremamente protetora. Ela também faz o que quer sem se importar com o que os outros possam pensar. Dona de si, confiante, ama com intensidade, eu sei que gostaria de ter um pouco de sua personalidade marcante (mesmo que ela se meta em problemas às vezes por ser honesta demais).

Claire Randall (série Outlander)
Não bastasse ter sido enfermeira na segunda guerra mundial, enfrentando campos de batalha, sangue e testemunhando intenso sofrimento, Claire ainda é tirada do século 20 onde passava sua lua-de-mel-pós-guerra com o marido e é transportada diretamente para a Escócia do século 18 em meio à revolta jacobita. Com muita coragem, ela sobrevive em um ambiente hostil e machista sem perder sua essência e ainda lida com seu coração se dividir entre dois amores (de séculos diferentes!).

Éowyn (trilogia Senhor dos Anéis)
Sobrinha do rei Théoden, Éowyn é um símbolo forte em Senhor dos Anéis. Idealista, eu desejo pelo campo de batalha desafia a sociedade em que vive e se recusa a acatar o chamado "dever como mulher": veste a armadura e parte fingindo-se de homem com o exército de Rohan. E o mair importante: ela enfrenta e destrói o Bruxo-Rei de Angmar, coisa que nenhum homem fora capaz de fazer.

Lizzie Bennet (Orgulho e Preconceito)
Ambientado na Inglaterra no final do século 18, Lizzie é uma afronta à época: não tem interesse em se casar e muito menos em ser agradável, principalmente com o sexo oposto. Sarcástica, respondona e inteligente (que absurdo!) além de seu desejo por independência eram características que não deveriam pertencer às mulheres, e ela não se importava nem um pouco.



Quem mais você adicionaria à essa lista de mulheres incríveis?

Nenhum comentário:

Postar um comentário