07 julho 2014

Colin Fischer - Ashley Edward Miller & Zack Stentz

Título Original: Colin Fischer
Título Brasileiro: Colin Fischer
Autor(a): Ashley Edward Miller & Zack Stentz
Ano: 2014
Editora: Novo Conceito
Páginas: 176
Sinopse: O ano letivo de Colin Fischer acabou de começar. Ele tem cartões de memorização com expressões faciais legendadas, um desconcertante conhecimento sobre genética e cinema clássico e um caderno surrado e cheio de orelhas, que usa para registrar suas experiências com a MUITO INTERESSANTE população local. Quando um revólver dispara na cantina, interrompendo a festinha de aniversário de uma das garotas, Colin é o único que pode investigar o caso. Está em suas mãos provar que não foi Wayne Connelly, justamente aquele que mais o atormenta, que trouxe a arma para a escola. Afinal de contas, a arma estava suja de glacê, e Wayne não estava com os dedos sujos de glacê…
Skoob

"Por que deveria me preocupar se alguém me chama de algo que eu não sou?"
Primeira resenha para a Maratona Literária #EuSouDoideira (saiba mais sobre ela aqui)! Devo dizer que comecei bem a maratona, ou talvez tenha tido a sorte de escolher ótimos livros. Colin Fischer foi uma leitura fácil, gostosa e bem rápida de ler: duas sentadas e eu estava fechando o livro, cujo final deixa deixa com um gostinho de quero mais.

Colin Fischer, o personagem-título do livro, possuí Síndrome de Asperger, uma condição neurológica relacionada ao autismo. Embora seja extremamente inteligente e esperto, tem problemas para se relacionar com as pessoas e não gosta de ser tocado. Lembrou-me bastante o Sheldon Cooper da série The Big Bang Theory. Ele tem 14 anos e está começando o ensino médio, com isso terá de enfrentar os problemas de sempre de quando se convive: pessoas, barulhos e toques indesejados, sem contar alguns colegas de classe que o importunam por causa de sua condição. Tudo isso muito bem registrado em seu inesperável caderno vermelho, uma espécie de diário onde ele anota tudo o que passa por sua mente.
"Colin achou muito interessante como uma pequena violação da ordem social deixava todo o sistema fora do equilíbrio."
Sua experiência no ensino médio sofre uma reviravolta no meio de uma festinha de aniversário de Melissa (o mais próximo do que pode ser chamada de amiga) quando uma arma é disparada na cantina da escola e ninguém sabe a quem pertence. As suspeitas caem logo em Wayne Connelly, rapaz que não tem muito apreço por regras e que vive atormentando-o. Só que Colin sabe que Wayne é inocente, afinal, a arma estava suja com glacê de bolo e as mãos de Wayne estavam limpas. Cabe a Colin, então, provar a inocência de Wayne e descobrir quem é o verdadeiro responsável pelo perigo na escola.

São 176 páginas de puro amor, não sei nem por onde começar, eu amei o livro! É encantador, divertido e envolvente desde suas primeiras páginas até o ponto final da última. Escrever um livro cujo personagem principal possui uma espécie de autismo é uma jogada arriscada e delicada, muito fácil de desandar se não tiver habilidade e Ashley e Zack mostraram-se extremamente capazes em desenvolver e explorar o enredo com maestria.

De tudo, acho que o que mais me agradou o livro é a forma como eles abordaram a Síndrome de Asperger e como eles lidaram com isso. Os pais de Colin são bem protetores e estão sempre tomando cuidado, alguns alunos fazem piadas com ele e até o maltrata enquanto alguns outros lidam e contornam suas dificuldades; o ambiente no qual ele se encontra é bem verossímil, tratado de maneira delicada mas ao mesmo tempo descontraída. Genial!
"Afinal, não estava ajudando ninguém - estava apenas ressaltando os fatos. A quem a verdade ajudaria e quanto era irrelevante."
A busca pela verdade é quase uma necessidade de Colin. Veja bem, Wayne o maltrata e Colin não é policial, não tem nenhuma obrigação a dar uma de detetive, mas ele o faz mesmo assim, um pouco influenciado pela sua admiração por Sherlock Holmes um pouco movido por uma curiosidade inerente a ele. E é essa investigação que vai fazê-lo sair da zona de conforto na qual ele vive a 14 anos, o obrigara a enfrentar o mundo e no meio disso tudo também ocasionará numa, lenta, auto-descoberta - da qual não tenho muita certeza de que ele está ciente.

As páginas passam e Colin evolui em frente a seus olhos, enfrentando o que ele odeia, tendo que lidar com seus limites e tentando contorna-los, contando com a ajuda de amigos e daqueles que ele nem imaginaria. Como, por exemplo, o professor de Educação Física, que o obriga a participar das aulas - coisa que ele não fazia antes. No começo, pensei que o Sr. Turrentine seria um problema, mas então ele cresceu no meu conceito quando mostrou que sabia exatamente como lidar com Colin, ajudando-o até. É muito fácil você saber suas limitações, aceitá-las e fazer nada para mudar ou contorna-las. Difícil é sair da sua zona de conforto e enfrentar o que te assusta, sem saber que isso pode te fazer bem.
"Por mais que tente, não consigo entender como uma pequena palavra pode conter tanto horror. Comentei sobre isso com meu pai uma vez, e ele me pediu para considerar quanto bem está contido em uma palavra tão pequena como 'amor'."
É uma leitura bem leve, e Colin é um personagem extremamente interessante. O livro é escrito em 3ª pessoa, mas no início de cada capítulo há algumas anotações retiradas de seu caderno vermelho, que são ótimas, pedacinhos de sua mente que nos ajudam a vê-lo melhor e a construí-lo. É como se ele visse as coisas de fora, tem umas tiradas muito inteligentes e válidas.

Eu não consigo expressar o quanto o livro me surpreendeu positivamente e o quão legal foi mergulhar um pouco no mundo de Colin. Mal posso esperar para saber mais sobre ele e seus companheiros no próximo volume. Sim, tem mais vindo! Enviei um tweet aos autores elogiando o trabalho deles e expressando minha curiosidade acerca do final do livro e o gancho que eles deixaram e Ashley me respondeu:

"Engraçado você mencionar... E Wayne. Onde ele vai é uma graaaande parte do próximo livro."
Estou esperando, caras, estou esperando!

Avaliação:

E, como é pedido na Maratona #EuSouDoideira, a música que escolhi para este livro é Louder da Lea Michele. A música combina bastante com Colin, o fato de ele estar se destacando e saindo de seu casulo e se descobrindo, como é dito na letra da música. Come out of the shadow (Saia da sombra) / Step in the light (Dê um passo para a luz) // Don't be afraid (Não tenha medo) / Why don't you scream a little louder? (Por que você não grita um pouco mais alto?)