06 junho 2012

#Livro "Pandora"



Ficha Técnica

Título Original: Pandora: New Tales of the Vampires

Título Brasileiro: Pandora: Novas Crônicas Vampirescas

Autor(a): Anne Rice

Editora: Rocco

Ano: 1998

Páginas: 208

Sinopse: David Talbot é um vampiro novo e intrigado pela história da milenar Pandora. A seu convite, a bela mulher começa a escrever-lhe sua trajetória nesse mundo. Somos enviados a mais de dois mil anos atrás, em meio ao alto Império Romano, onde Pandora, Lydia naquela época, nasceu e viveu com a família antes dessa ser assassinada. É nesse ambiente político que ela conhece Marcus, o amor de sua vida – e existência. Com a instabilidade e traições ocorrendo em Roma, ela é levada até Antioquia (atual Turquia) e tem sua vida mudada drasticamente, começando pela mudança de nome. Em meio a rituais sagrados, lendas e sonhos estranhos, ela é apresentada a um mundo mais sombrio e escuro, mundo no qual Marcus tornara-se parte. O amor turbulento dos dois resistirá ao sangue que os separa?


Skoob


O primeiro atrativo que puxou meus olhos para o livro foi a belíssima – e simples – capa. Então, vi o grande nome da autora em baixo (que isso gente, maior até que o próprio nome do livro!) e foi o que faltava para decidir compra-lo. Sem hesitar, digo que é um dos melhores livros na minha estante.


Pandora é meio melancólica, mas dura na queda. Ela não passa seu tempo remoendo o passado e choramingando por ai. Ela é forte e decidida, não precisa de ninguém pra sobreviver – bem, tirando o sangue humano, mas isso é outra história. Mas, ao mesmo tempo, ela não chega a ser arrogante ou orgulhosa. Com a brutalidade que sua vida mudou em Roma e ter seu pai morrendo em seus próprios braços, Pandora teve que ser forte. Mudou-se para uma cidade que não conhecia, onde não conhecia ninguém e não confiava em nada. Situação complicada.


Mais da metade do livro é contado com Pandora sendo mortal, o que é muito legal, pois podemos conhecer como Pandora é e como ela passa a ser quando adquire o ‘Dom das Trevas’. Não que ela tenha mudado muito a maneira de ser, mas ela passa a ver as cosias de maneiras diferentes, conforme passa os anos.




Lembro-me vividamente da beleza absoluta dessa época, e da convicção sincera de meu pai de que Augusto era um deus, e que Roma nunca fora mais agradável às divindades. - pág. 33



A relação de Pandora e Marcus é antiga e, desde sempre, complicada. Era costume noivar a filha bem jovem e depois, quando atingisse a idade – que variava entre 12 e, no mais tardar, 18 anos – ela e o noivo se casavam. Marcus mostrou-se interessado na pequena Lydia desde que a conhecera, quando não passava de uma criança. Abre parênteses: okay, nesse momento confesso que achei bem estranho, a primeira coisa que pensei foi pedofilia! Mas quem sou eu pra criticar ou contestar os costumes da época? Fecha parênteses. Entretanto, apesar de frequentar a casa do Senador (pai de Pandora) e ter amigos poderosos, não seria um bom casamento por conta da família que ele vinha, tendo sua proposta recusada. Anos mais tarde, quando Pandora o encontra, ainda em Roma, ela mostra-se romanticamente interessada nele e, mais uma vez, a proposta de casamento é rechaçada. Tenho por mim que o pai dela não queria que ela se casasse e ponto.


Marcus foi transformado em algum momento entre os vinte anos que se separam daquele dia e quando Pandora o encontra em Antioquia. Sua transformação não teve exatamente seu consentimento, mas ele soube lidar bem com a mudança, apesar de sentir ser agora um filho das trevas. Por isso ele não queria transformar Pandora, ainda mais por pedido dela mesma, mesmo que seja para que ambos pudessem passar a eternidade juntos. Ele se martirizava por ser um amaldiçoado e amava tanto Pandora que não queria essa vida pra ela, mas acaba cedendo. Ao todo, Marcus transformou apenas duas pessoas. Algo meio Stefan e Edward, essa visão de serem amaldiçoados e serem ressentidos por isso – embora, em momento algum, eles pensem em se matar. Irônico não?



Ela olhou para mim tão indiscriminadamente como olhava para os outros. Seu rosto delicado estava soberbamente maquiado. A fúria não lhe distorcia as feições. Sua voz era baixa e carregada de ódio. - pág. 129

A história é muito bem escrita, a forma que Anne Rice escreve é incrível! A leitura flui com facilidade e você pode ver a história se passando como um filme enquanto lê por conta da riqueza de detalhes e da veracidade que ela dá aos fatos. Não percebi erros quanto à grafia e diagramação, e a tradução foi bem feita. As letras tem um bom tamanho para ler e os capítulos são simples.


Sinopse e resenha desenvolvidas por Maria Salles.

9 comentários:

  1. Ainda não li Pandora, mas como todos os livros da minha diva, ele está na lista de desejados... Um dia ainda terei toda a coleção das Crônicas *-*

    Bjs,
    Kel
    www.itcultura.com

    ResponderExcluir
  2. Essa capa é tudo. Linda, linda. Ainda não li nada da autora, mas esse livro está na minha lista :) Parece ser bem legal, e como eu amo vampiros... é um dos próximos!

    ResponderExcluir
  3. Eu adoro Pandora, Kel! Aliás, também é meu sonho completar as Crônicas da Anne!*0*

    Beijocas!

    ResponderExcluir
  4. Pra que ama vampiros, Anne Rice é um 'must read' :D

    Beijocas!

    ResponderExcluir
  5. Concordo, a capa é lindíssima.
    Nunca li Anne Rice, mas se vc está dizendo que é um bom livro, confio.

    ResponderExcluir
  6. Acho a Anne Rice uma maravilhosa escritora!
    A capa é linda, tô loca pra ler! Como tudo o que ela escreve,
    esse tbm dee ser um otimo livro! =)

    ResponderExcluir
  7. As capas da Anne são sempre lindas! rs Quanta responsabilidade, hahah obrigada! ;)

    Beijos!

    ResponderExcluir
  8. Também gosto muito da escrita dela! Pandora é um dos meus favoritos!

    Bejos!

    ResponderExcluir