09 abril 2017

FILME | A Cabana

10:00
Eu li o livro A Cabana há muito, mas muito tempo. Tipo, logo quando lançou. Eu lembrava da história como um todo, sabia que era bonita, porém não conseguia me lembrar dos detalhes e - pra ser bem honesta - não é o tipo de livro que eu leria de novo. Eu tinha até esquecido dele quando surgiu a notícia de que viraria filme, não demorei a decidir que veria quando lançasse.

Uau. Então, faz apenas algumas horas que saí da sessão e eu ainda não sei explicar com palavras o que eu sinto. É algo estranho, aqui dentro no meu peito. Eu tenho uma relação muito boa com a minha espiritualidade, acredito em Deus, agradeço e oro por ajuda, mas esse filme me mostrou algo mais além. É de uma profundidade que nos faz pensar, refletir, chorar e, sim, agradecer.

Como eu já disse em vídeo, eu precisei tirar um tempo pra mim para cuidar da saúde e que estaria voltando aos poucos com o blog. A verdade é, eu ainda estou me cuidando. De 2015 para cá as coisas ficaram bem intensas pra mim, eu estava perdida, precisava de ajuda. Agora as coisas estão começando a voltar ao lugar, mas se não fosse por Papai, eu talvez não estivesse aqui para contar história.

Às vezes, como foi dito no filme, estamos tão perdidos em nossa dor que não percebemos a presença d'Ele em nossa vida. Mas Ele está ali, nos carregando e tentando nos impedir de desistir. Coisas ruins acontecem o tempo todo. Essa semana mísseis americanos atingiram a Síria e todo mundo tem medo de que isso possa ser uma provocação para uma nova Guerra. Onde estaria Papai nesse momento então?

Veja bem, vamos tomar o exemplo de sua casa. Seu pai lhe diz que não pode sair de casa porque está chovendo e é perigoso. Você sabe dos riscos. Papai te disse. Papai te ama. Mesmo assim você sai e se acidenta. É culpa de Papai ou sua? Com Ele é a mesma coisa. Temos a mania de levantar os punhos para os céus e culpar-Lo por todo o mal, mas esquecemos que o mal quem provoca somos nós mesmos. Que Ele ama todos os filhos e sofre por todos nós. Que éramos para praticar o bem e não machucarmos uns aos outros. Mas esquecemos disso. E esquecemos de todo o bem que Papai nos faz. Ou de como ele nos consola após os males. Não podemos mais esquecer disso.

Apesar de, a princípio, você pensar que é um filme pesado, na verdade é um filme bem leve e com tiradas cômicas - de bom tom, claro. Fala sobre fé e o poder do perdão, além da superação. Eu sai do filme me sentindo leve. Plena até. Quando cheguei em casa, olhei para o céu e as poucas estrelas visíveis entre as nuvens, e agradeci sinceramente. Percebi que fazia um tempo que não agradecia pela minha vida e por estar me ajudando nesses meses difíceis. Agradeci e me senti bem.

A Pri também comentou o filme:

Fazia tempo que um filme não me fazia sentir tanto como eu senti e pensei vendo esse filme, como as coisas podem parecer simples do nosso ponto de vista e como podemos julgar o achamos "certo" ou "errado" sendo o juiz daquilo ao nosso redor, assim como também fazia tempo que não pensava em minha relação com Papai e como ela pode sim mudar minha vida.
Esse filme veio até mim em uma semana que não estava bem emocionalmente, as coisas que Ele nos ensina são muito importantes e algumas muito comuns até, mas que nos esquecemos com o tempo e com a vida, chorei e me emocionei ouvindo as lições que Ele passou e agora me pego pensando sobre coisas que parecem ser tão óbvias e na verdade são mais complexas que imaginamos.
Não somos criados para julgar, o julgamento é o que nos separa de amar uns aos outros, parafraseando Papai nessa adaptação maravilhosa, fomos criados para amar assim como os pássaros foram criados para voar, e quando sentimos que não somos amados, é como se os pássaros tivessem suas assas cortadas e não pudessem voar mais.

 Classificação:

Ficha Técnica

Título Original: The Shack
Título Brasileiro: A Cabana
Direção: Stuart Hazeldine
Ano: 2016
Duração: 133min
Elenco: Octavia Spencer, Sam Worthington, Aviv Alush, Sumire, Alice Braga, Radha Mitchel, Ryan Robbins, Graham Greene, Megan Charpentier, Gage Munroe, Amélie Eve.
Sinopse: Um homem vive atormentado após perder a sua filha mais nova, cujo corpo nunca foi encontrado, mas sinais de que ela teria sido violentada e assassinada são encontrados em uma cabana nas montanhas. Anos depois da tragédia, ele recebe um chamado misterioso para retornar a esse local, onde ele vai receber uma lição de vida.
Trailer:

08 abril 2017

CANAL | SOCORRO ESTOU SOZINHA #1 Família Inconveniente

19:13

Bom dia peixinhos! Vamos começar o sábado bem com um vídeo novo? No primeiro vídeo de conteúdo da série Socorro Estou Sozinha já começo contando uma história, algo que aconteceu comigo enquanto ainda morava em Campinas. "Capivara e novas experiências?" vocês me perguntem. Sim! Apertem o play e vejam só o que eu passei.

P.s.: sugiro a porem os fones de ouvido ou aumentarem as caixas de som pq acabei falando baixo e pode ficar ruim de ouvir...

05 abril 2017

CANAL | SOCORRO ESTOU SOZINHA!

10:15
Olá queridinhos e queridinhas, tudo bem com vocês! Faz praticamente um mês que não posto nada no blog né, essa vida de universitária não da trégua... Mas fiquem ligados que estou planejando novos conteúdos pra vocês e mais resenhas estão por vir! Espero poder voltar ao normal com o Marmaid em breve.

Um dos conteúdos novos é esse  mesmo, o título da postagem. Se você é esperto e me segue no canal já está sabendo, mas se ainda não se atualizou, vem aqui que eu te conto (aproveita e se inscreve okay?)

O Socorro Estou Sozinha será uma série de vídeos que produzirei sobre como é mudar de cidade para fazer faculdade/trabalhar e estar por conta própria. Vai ter dicas, histórias, receitas e o que mais aparecer. Confira o vídeo onde eu apresento à vocês o SES ;)



09 março 2017

8 DE MARÇO É LUTA!

09:00
Ontem, dia 8 de março, foi Dia Internacional da Mulher. Mas a vontade que menos tenho é de comemorar. A satisfação que menos tenho é a de ser mulher. Não queria fazer um texto tão negativo em um dia supostamente de “comemoração”. Mas é difícil encarar esta como uma data de elevação à mulher considerando que ser mulher no mundo de hoje é sinônimo de sofrimento.

Eu sou mulher, e todo dia quando volto à noite da faculdade eu rezo para chegar em casa inteira. Eu olho por trás dos ombros para ter certeza de que não estou sendo seguida. Eu traço um caminho no qual eu tenha algum lugar para que possa me refugiar caso não me sinta protegida. Eu desço do ônibus e fico com as chaves em mão, também para entrar em casa mais rápido, mas principalmente para ser capaz de me defender.

Eu sou mulher e sempre que vou me arrumar me vêm aquela voz irritante na minha cabeça, me alertando sobre qual tipo e roupa e maquiagem eu deva usar para evitar chateações. Me irrito porquê quando eu ignoro essa voz sou obrigada a ouvir gracinhas na rua. Me irrito porquê, quando ouço essa voz, sou obrigada a ouvir gracinhas na rua. Para que fique registrado: essas gracinhas me soam como agulhas em meu ouvido e gelo em meu corpo. Essas gracinhas são ofensivas e não me fazem, nem um pouco, me sentir bem; me fazem sentir suja.

Eu sou mulher e quero poder falar o que penso sem que me chamem de arrogante. Quero poder ser líder sem me chamarem de mandona. Eu sou mulher e a última coisa que quero ouvir é que eu deveria fazer coisa de mulher, usar coisa de mulher, falar como mulher.

Eu sou mulher e eu faço o que quiser.

Eu sou mulher e eu uso o que quiser.

Eu sou mulher e eu falo como eu quiser.

Se não sabem lidar com isso, o problema não sou eu, não é ela, e nem as outras. O problema é você que não sabe nos enxergar como seres humanos. O problema é você que só sabe respeitar outro homem. O problema é você que quer poder nos controlar.

Eu sou mulher e eu temo.

"Mas não é bem assim." "Ei! Nem todo homem!" "Olha o mimimi." Mas é bem assim. E é todo homem, até que se prove o contrário. O Brasil é o quinto país no mundo com a maior taxa de feminicídios. 38% das vezes, o crime é cometido pelo parceiro. A cada 10 mulheres, 8 já foram assediadas. A cada 11 minutos uma mulher é estuprada. A cada 2 horas uma mulher é morta. Ainda acha que é mimimi?

Eu sou mulher, mas não comemoro. Não tenho interesse em flores e doces apenas um dia do ano. O que eu quero, o que eu luto, o que eu grito é por liberdade. É por igualdade e equidade. É por um mundo que não seja hostil só porque eu sou mulher.

08 março 2017

CANAL | REAGINDO AO TRAILER: Piratas do Caribe 5 e Guardiões da Galáxia 2

11:30
Oi gente linda! Quanto tempo que não dou o ar da graça, não é? Senti muitas saudades de vocês, mas sabe como é, a vida acontece e você nem sempre tem controle das coisas que te acontecem. Precisem me afastar do Marmaid por motivos de saúde, mas espero poder voltar pra vocês aos pouquinhos esse ano com mais postagens e mais vídeos e mais loucuras!
O primeiro conteúdo do ano (aliás, feliz 2017 todo mundo!) é um vídeo onde eu assisto em frente à câmera aos últimos trailers lançados de "Piratas do Caribe - A Vingança de Salazar" e de "Guardiões da Galáxia - Vol. 2.