27 setembro 2021

Orgulho - Ibi Zoboi

09:30

Como boa fã de Jane Austen, me interesso sempre pelas adaptações e releituras de suas obras, especialmente as que conseguem trazer um viés moderno sem perder o espírito do original. Inclusive, algumas conseguem ter um notório destaque, como o clássico As Patricinhas de Beverly Hills (releitura de Emma).


Eu já havia ouvido falar de Orgulho e queria ler fazia bastante tempo quando a oportunidade se fez durante um Clube de Leitura, em parceria com a editora Harper Collins (obrigada pela edição, Morana!).


O que eu gosto em uma releitura não é o quanto ficou igual ou reconhecível logo de cara, mas sim, se o autor soube captar a essência do original e transcrever em sua obra de modo a torna-la sua. Isso é algo que Zoboi soube fazer com maestria. Ela conseguiu pegar os eventos de Orgulho e Preconceito e trazer para um contexto moderno sem que a referência se perdesse e ainda conseguiu manter a originalidade. O que, na minha experiência como leitora, é incomum e talvez até mais difícil de se fazer.


"- Só para deixar claro: por aqui, você é igual a todo mundo. A polícia e esses brancos todos vão olhar para você e achar que você mora no mesmo conjunto habitacional que eu, não importa quantas bermudinhas cáqui ou sapatos de vovô você tenha."


Zuri Betinez é uma jovem afro-latina do subúrbio, que com muito desgosto observa seu bairro perder suas características conforme sofre com a gentrificação. Com um ar sabe-tudo bem similar à nossa Lizzie, não vê com bons olhos quando a rica família Darcy se muda para o outro lado da rua e, principalmente, odeia quando Janae, sua irmã mais velha, começa a se envolver com Aisling, um dos adolescentes da casa.


Da mesma maneira que Austen utiliza-se da ironia em suas obras para fazer críticas à sociedade de sua época, Ibi Zoboi usa a voz de Zuri para levantar questões como identidade cultural e diferença de classe ao se estranhar com Darius Darcy.


Orgulho também é imerso na cultura afro-latina, o que é fenomenal. Sendo a própria Ibi haitiana, pude reconhecer suas próprias experiências e vivências no livro. Os pratos típicos, os rituais religiosos, tudo descrito com tanto detalhe que parece que estou passando uma temporada com os Benitez!  


“A gente não pode jogar o passado fora como se não significasse nada, sabe? É isso o que acontece com bairros inteiros hoje em dia. A gente construiu alguma coisa, foi uma confusão, mas não dá para jogar tudo fora."


Mesmo sendo uma releitura, assim como disse lá em cima, as referências não são explícitas. Eu sabia os pontos chaves da obra principal, e Ibi fez um trabalho tão bom que eles apenas guiavam sua história ao invés de ser aquela coisa óbvia e até mesmo preguiça sabe? Deixando cada página um mistério e aquele gostinho bom depois ao perceber que "aaah aqui seria aquela parte do livro da Austen".


Com uma narrativa fluída e leve, o livro nos envolve do começo ao fim, trazendo personagens interessantes e realistas. Zoboi tem a proeza em falar sobre assuntos importantes sem deixar o livro pesado, oferecendo uma reflexão e diálogo para com os leitores. Vale muito a pena a leitura!




Título original: 
Pride: A Pride & Prejudice Remix

Titulo nacional: Orgulho

Autor(a): Ibi Zoboi

Tradutor(a): Giu Alonso

Páginas: 272

Editora: Harper Collins

Onde comprar: Amazon; Americanas; Submarino

07 julho 2021

LEITURA COLETIVA: Academia de Vampiros

12:55


Ei, camaradas!

Dia 7 de agosto, daqui exatos um mês, nossa leitura coletiva começa!

❗ E as inscrições abrem hoje! AGORA!❗

⚠️  PORQUE É IMPORTANTE ME INSCREVER?

Este formulário tem dois objetivos:

1️⃣ uma noção de quem tem interesse de participar e assim nos organizarmos quando aos prêmios (sim!) e outras dinâmicas da LC

2️⃣ também porque queremos ouvir VOCÊS antes de darmos início à leitura para podermos entregar uma LC incrível a todos!


🔴 POSSO PARTICIPAR SEM ME INSCREVER?

Claro! Não queremos obrigar ninguém a fazer o que não quer! MAS tenha em mente que só quem se inscreveu participará dos sorteios e você pode perder também a chance de expressar suas expectativas quanto ao LC (algo muito querido por nós). A gente incentiva a inscrição justamente por isso, quanto mais ouvirmos mais qualidade entregamos!

Nos próximos dias mais informações serão divulgadas, você pode acompanhar principalmente pelo twitter oficial @marmaidlc quanto pelo instagram @marmaid.com.br

Bora ler?!

30 junho 2021

Vampire Academy - A Série: o que sabemos até agora?

12:21

#VAFamily uni-vos! A montanha russa de emoção voltou!


Vampire Academy: A Série será produzida pela NBC Universal Television através de seu canal de streaming, a PeacockTV. De início, foi encomendada uma temporada de 10 episódios, que poderá render ou não uma renovação de acordo com a resposta do público.


Julie Plec é a responsável em adaptar os livros para as telinhas, atuando como produtora executiva através da sua própria empresa de produção, a My So-Called Company, que conta com nomes como Don Murphy, Emily Cummins, Susan Montford, Deepak Nayer e Jillian DeFrehn, e também como showrunner e roteirista ao lado de Marguerite MacIntyre (The Originals, Legacies).


As gravações ocorrerão principalmente na Espanha, segundo a própria Plec em seu instagram, que está passando uma temporada por lá em busca de locações. Segundo o que foi apurado pelo twitter @VAacademyBR através do site CastingAbout, a diretora de elenco é Veronica Collins Rooney e as gravações estão previstas para iniciar em setembro desde ano, com episódios de uma hora de duração.


O site IMBD também foi atualizado com uma página para a futura série, informando que sua previsão de estreia é para 2022 nos estados unidos.

  • Qual a cena que você mal pode esperar para ver adaptada?

Plec é fã da saga há anos, comentando sobre a leitura dos livros em seu twitter pessoal e inclusive se mostrando interessada em adaptar os livros desde 2015! Quando indagada, ao assinar com a NBC, qual projeto estava louca para fazer, sua resposta imediata foi justamente Academia de Vampiros.



Ainda não temos confirmações de quantos livros os 10 episódios irão abordar, mas a ansiedade está comendo solta por aqui!


Enquanto esperamos mais novidades.... que tal uma Leitura Conjunta do primeiro livro? Corre lá no insta que acabei de lançar o projeto e logo menos teremos MAIS novidades sobre!



FONTES: Variety, Deadline 

14 março 2021

Os Sete Maridos de Evelyn Hugo - Taylor Jenkins Reid

10:30

Eu não estava preparada para Evelyn Hugo.


Sempre que um livro alcança um hype eu fico receosa em entrar na leitura. Fico me perguntando se ele é realmente tão ótimo assim, se estou observando o Efeito Mandela acontecer ou ainda se eu serei aquela a ir contra a maré - isso é muito a minha cara. Não é que eu não acredite no potencial literário da obra, mas sabe como é, quando a esmola é demais o santo desconfia.



Título:
 Os Sete Maridos de Evelyn Hugo

Autor(a): Taylor Jenkins Reid

Páginas: 400

Publicação: Editora Paralela

Ano de lançamento: 2017

Compre: 







Com muito cuidado, e até atrasada no rolê, iniciei a leitura. De cara e muito facilmente, a escrita de Reid me envolveu. De maneira fluida, começamos a leitura no presente quando Monique, uma jovem jornalista com grandes aspirações, é convidada a dedo por Evelyn Hugo para escrever uma matéria sobre ela. Mas Evelyn não é uma famosa qualquer. É simplesmente uma das maiores atrizes da época de ouro do cinema cuja vida particular é um imenso mistério e contada apenas por tabloides da época. O que ela iria revelar e porque ela queria justamente Monique?


Acompanhamos a história da atriz desde muito antes do estrelado. Quando era apenas uma jovem com um imenso desejo à margem da sociedade. Não apenas mulher, como também latina, Evelyn sabia que precisaria trabalhar o triplo mais que qualquer um para chegar a qualquer lugar. Quais sacrifícios ela estaria disposta a fazer e qual seria seu limite?


Com uma trajetória solitária, podendo confiar apenas em si mesma, Evelyn chega ao topo, mas não sem sofrer. Em Os Sete Marido de Evelyn Hugo a autora conseguiu abordar com muita naturalidade e realismo, em uma trama redonda e fechadinha, assuntos como machismo, xenofobia, violência e sexualidade. Inúmeros paralelos que ainda continuam presente em pleno século 21.


Fazia muito tempo que um livro não me arrebatava desse jeito. Eu me forcei a ler com calma, para absorver cada página da mesma maneira que um sommelier degusta o mais fino vinho. Reid parece escrever diretamente dos bastidores de Hollywood, com tanta proeza que me pergunto se Evelyn realmente existiu e se a autora a acompanhou como um silencioso fantasma.


É até um pouco difícil discorrer sobre o livro, uma vez que a vida de Evelyn é um mistério para todos, qualquer coisa que eu disse pode vir a ser um spoiler. De qualquer forma, o livro é facilmente um dos melhores  que já li e com certeza é a melhor leitura de 2021.


Em 2019 foi anunciado a compra dos direitos do livro para uma adaptação pela Freeform com Ilene Chaiken (The L Word, Empire) e Jennifer Beals (The L Word) na produção e a própria Taylor Reid no roteiro.

02 março 2021

"Céu Sem Estrelas", de Iris Figueiredo, vai virar filme!

13:04

A produção nacional está a todo vapor!


Céu Sem Estrelas, romance da autora carioca Iris Figueiredo, conhecida por Confissões Online, ganhará uma adaptação para cinema! A distribuidora e produtora Elo Company é a responsável em traduzir o livro para as telas, o projeto ainda está em desenvolvimento e não conta com nomes para direção e elenco.


Sinopse: Cecília acabou de completar dezoito anos, mas sua vida está longe de entrar nos trilhos. Depois de perder seu primeiro emprego e de ter uma briga terrível com a mãe, a garota decide ir passar uns tempos na casa da melhor amiga, Iasmin. Lá, se aproxima de Bernardo, o irmão mais velho de Iasmin, e logo os dois começam um relacionamento. Apesar de estar encantado por Cecília, Bernardo esconde seus próprios traumas e ressentimentos, e terá de descobrir se finalmente está pronto para se comprometer. Cecília, por sua vez, precisará lidar com uma série de inseguranças em relação ao corpo — e com a instabilidade de sua própria mente.

 



Compre:    


Íris Figueiredo
O sinal verde para o projeto me deixa animada. Nos últimos anos observo uma crescente positiva incentivada principalmente pela Netflix em produções nacionais de sucesso. Tudo Bem no Natal que Vem, com Leandro Hassum, configurou em um dos filmes originais do stream mais assistidos mundialmente e nomes como Larissa Manoela e Maísa Silva tem se espalhado pelos países. De Volta Aos Quinze, livro de Bruna Vieira, também está sendo adaptado pelo streaming esse ano.

Outra produção de sucesso é a série da Netflix Cidade Invisível, com Marco Pigossi e Alessandra Negrini. Renovada para a segunda temporada, a série se utiliza do universo fantástico para narrar a convivência entre seres mitológicos brasileiros - como cuca, curupira, saci pererê etc - e a sociedade atual. Sua originalidade conquistou os gringos os apresentando ao rico folclore brasileiro.


Com esse mercado para filmes adolescentes em alta, fico na espera de mais livros nacionais alcançando as telonas e os corações dos brasileiros. 


Fonte da notícia: Folha de S. Paulo